Na nossa vida tudo está sujeito a mudar: o amor, o trabalho, a saúde, a liberdade, a paz, a sanidade mental, a própria vida…

Mudança, esta é uma palavra que provoca à maioria das pessoas um sentimento de aversão e desconforto imediatos. Talvez por já termos ouvido algumas vezes que mudar é sinal de falta de consistência; que ao mudarmos nos mostramos pouco determinados e até correndo o risco de sermos tomados como fracos.

Mudar significa: fazer alteração; tirar de um lugar para outro; substituir, trocar; apresentar-se de outra forma; dar outra orientação, direção ou sentido.

Ninguém gosta de pensar que a vida possa mudar totalmente de um dia para o outro de forma completamente imprevisível (ou pelo menos pouco previsível), destruindo muito do que amamos ou a que, pelo menos, estamos habituados. Gostamos de imaginar a nossa vida como algo estável!

Paradoxalmente, tudo o que existe no mundo está em constante movimento e em constante mudança (o próprio movimento leva por si só à mudança). Mesmo o interior da matéria e o Cosmos (o infinitamente grande e o infinitamente pequeno) estão em constante movimento e em constante mudança, provocados pela contradição latente em tudo no Universo: cada coisa (mesmo a mais simples) resulta sempre de um equilíbrio instável de duas naturezas opostas. O Universo é dual. É pois desta contradição latente em tudo que se nutre o movimento, que o homem, enquanto parte integrante do Universo, não pode fugir a esta regra fundamental. No entanto, cada mudança, qualquer que ela seja, trás em si novos desafios, encerra sempre de alguma forma novas oportunidades. Talvez esteja na mudança a chave do nosso sucesso futuro, da nossa realização pessoal, da nossa felicidade! Na realidade, o nosso crescimento interior depende totalmente dela.

A mudança é inevitável. Como dizia Heraclito, “Nada perdura a não ser a mudança”. Não temos, portanto grande escolha: ou nos adaptamos ou pagamos o preço (alto) da não concretização dos nossos objetivos, dos nossos sonhos, do nosso propósito de vida. O maior perigo na vida é não nos prepararmos para correr riscos e colher as oportunidades que deles advêm. É não tirarmos proveito do que nos acontece para aprender, para crescer. É nunca mudarmos!

Para aprendermos com a mudança, temos que ser capazes de encará-la como uma parte importante, natural e vital da nossa vida, deixar de lado o medo e aceitar a mudança como experiência que faz parte da nossa forma de existir.

A mudança é muitas vezes inevitável, mas pode muitas vezes ser controlada. Pode levarnos a que sejamos capazes de tirar as conclusões corretas e de as incorporar à nossa vida, tornando-nos assim mais fortes, mais preparados e melhores pessoas.

Tomem decisões estratégicas na vossa vida, aceitem a mudança.

Anabela Martins – Coach @ WeCareOn