Reconheça as suas qualidades. Se perguntarem-lhe para dizer algumas das suas qualidades, o que responderia? Se tem baixa auto-estima, pode ser difícil reconhecer essas virtudes.

Outras pessoas podem não ter dificuldade em lembrar de aspectos positivos mas podem sentir-se desconfortáveis em pensar, falar ou escrever sobre as suas qualidades. Muitas pessoas podem considerá-lo(a) como vaidoso(a), arrogante ao pensar sobre essas coisas.

Mas de modo a promover uma avaliação equilibrada de si próprio é saudável perceber o seu lado positivo e comportar-se como alguém que tem qualidades e merecedor(a) de alegria e diversão.

Muitas pessoas com baixa auto-estima têm tendência para prestar atenção a situações que confirmam a sua visão negativa de si mesmos. Se tem baixa auto-estima, provavelmente presta pouca atenção às coisas positivas que faz, às suas qualidades, bons resultados ou comentários positivos que os outros o fazem.

Na maioria das vezes tudo o que presta atenção são aos seus defeitos e sente-se confortável com a existência desses aspectos negativos… Mas pergunte-se –  Será justo para si?

 

Ao começar a reconhecer os seus pontos fortes e positivos estará a escalar novamente para o equilíbrio.

 

Uma boa estratégia para reconhecermos as nossas qualidades é manter um registo. Quando reparamos em alguma coisa importante e queremos lembrar dela, o que fazemos para relembrar mais facilmente? Escrevemos, tomamos nota ou fazemos uma lista. A mesma abordagem aplica-se neste caso… Então comecemos a fazer esse reconhecimento positivo.

Comecemos por fazer uma lista de qualidades que pensa que tem, mesmo que ache que sejam pequenas, insignificantes, modestas ou sem importância.

 

Se for difícil esta tarefa, pergunte-se:

  1. O que gosto em mim?
  2. Quais são as minhas características positivas?
  3. O que gostaria de alcançar na vida?
  4. Que dificuldades/obstáculos na vida consegui superar?
  5. Que aptidões e talentos tenho?
  6. O que os outros dizem de mim?
  7. Quais são as qualidades que eu gosto nos outros que eu também tenho em comum?
  8. Se alguém tem características idênticas a mim, o que admiro neles?
  9. Como é que os outros descrevem-me? (os que se importam consigo)
  10. O que considero como características negativas? Dessas características quais eu não tenho?

Existem infinitas possibilidades para uma listagem positiva das nossas características pois cada um de nós é diferente. Aqui estão alguns exemplos que podem ser aplicados a si:

Leal/ atencioso(a) /organizado(a)/ bem-humorado(a)/ criativo(a)/ aventureiro(a)/ corajoso(a)/ bom amigo/diligente/ engraçado(a)/ determinado(a)/consciente/responsável/empático(a)/bom(a) ouvinte/viajado(a)/activo(a)/etc.

Utilizando a sua lista tente recordar exemplos específicos que demonstre cada um dos seus atributos positivos, por exemplo:

Atencioso:

  • Quando o meu amigo estava doente levei-lhe flores e um livro,
  • O meu colega precisava de desabafar e estive a ouvi-lo atentamente,
  • Emprestei dinheiro ao meu irmão quando ele mais precisava.

Uma vez que já listou alguns exemplos do passado, comece a fazer este registo diariamente para poder perceber as suas qualidades. Cada dia pode escrever 3 exemplos que ilustrem os seus pontos positivos. Por exemplo, pode anotar que acabou de escrever um relatório (diligente), elogiou a sua cara metade (carinhoso(a)), brincou com os seus filhos (divertido(a)).

 

Fazer esta tarefa pode demorar algum tempo mas vale a pena o esforço. Anotar estes momentos específicos que ilustram as suas melhores qualidades permitirá que esta lista tenha impacto na visão de si mesmo(a).

 

Se tiver dúvidas ou quiser mais algum esclarecimento, contacte a nossa equipa de psicólogos.

Daniela Esteves, psicóloga @ WeCareOn