Que impacto psicológico tem a Guerra na Ucrânia? As notícias da Ucrânia chegam-nos ao minuto e em tempo real, num fluxo contínuo de novas informações. De cada vez que fazemos “scroll” nas redes sociais, a cada emissão dos noticiários que assistimos na televisão ou ouvimos na rádio, de cada vez que abrimos e lemos um jornal online ou em papel, a Guerra na Ucrânia está presente. 

Nestes último dois anos, experienciamos circunstâncias de insegurança, incerteza e medo mais intensamente, com o início da Pandemia COVID-19. As circunstâncias são, agora, agravadas desde que começou a invasão da Ucrânia pelo exército russo. A Guerra pode estar a acontecer longe das nossas residências, mas o acesso constante às notícias sobre a situação faz-nos sentir próximos e solidários.

Perante a situação supra descrita é natural surgirem várias emoções desconfortáveis ou mais desafiantes de gerir. Podemo-nos sentir preocupados, ansiosos, stressados, assustados, angustiados, tristes, com medo, irritados, zangados, impotentes e/ou até mesmo apáticos.

Também podem surgir várias questões sobre o futuro ou o desenrolar da situação: “Quanto tempo irá esta Guerra na Ucrânia durar?” “O que vai acontecer?”, estas perguntas e emoções podem chegar a afetar a nossa capacidade de concentração e a perturbar o nosso sono e apetite. Se estas questões o(a) começarem a atormentar e a originarem diversos cenários trágicos na sua mente, está na altura de dizer STOP e relembrar-se de que um pensamento é apenas um pensamento e não uma verdade absoluta.

 

O que podemos fazer?

Uma vez que não podemos alterar o decurso de acontecimentos mundiais, temos de nos focar no que realmente podemos fazer! Existe uma frase de Viktor Frankl que diz “Entre o estímulo e a reação existe um espaço. Neste espaço está o nosso poder de escolher a nossa resposta. Na nossa resposta está o nosso crescimento e a nossa liberdade”. Podemos escolher como reagimos a situações que estão para além do nosso controlo. Posto isto, podemos procurar regular os nossos pensamentos e sentimentos:

 

> Aceitando as nossas emoções e sentimentos;

> Limitando a nossa exposição a notícias. Caso identifique que consultar as notícias o(a) está a deixar muito ansioso(a), experimente pedir a um ente querido que consulte as notícias por si e o(a) alerte caso considere que seja uma informação que deva saber (podem delinear previamente o tipo de informação que deseja ser alertado(a) para); 

> Consultando fontes credíveis de informação de forma a combater a desinformação;

 > Evitando pensamentos “catastróficos”. Não me interpretem mal, a situação na Ucrânia é realmente séria e deve ser considerado como tal, contudo, não ajuda pensar constantemente no “pior cenário possível”. Focar no aqui e agora, um dia de cada vez pode ajudar-nos a viver a situação com menos angústia.

> Falar com familiares e amigos. Partilhar aquilo que sentimos pode diminuir o nosso stress.

> Realizar atividades de lazer.

> Investir no autocuidado.

 

O Papel da Esperança

De acordo com vários investigadores, a esperança faz bem mais do que oferecer um pouco de conforto em momentos de aflição. Na realidade, a esperança, desempenha um papel surpreendentemente poderoso na vida, pois faz-nos sentir que somos capazes de superar  obstáculos ou dificuldade (ou seja, tornamo-nos proativos a melhorar a nossa própria situação) e, se possível, obtemos algo positivo da experiência.

A Guerra na Ucrânia é assustadora e confronta-nos com uma realidade que desejávamos que não existisse. No entanto, é importante reconhecer que a guerra não gera apenas destruição, também pode provocar comportamentos pró-sociais, maior envolvimento, participação cívica, empatia, solidariedade e reconhecimento da liberdade que temos, do amor que sentimos, da conceção que existe entre todos enquanto cidadãos do mundo. É importante relembrarmo-nos de defender a dignidade humana e respeitarmo-nos uns aos outros e os direitos de cada um.

 

Plataformas de Ajuda

Em Portugal criaram-se rapidamente platatormas para ajuda aos Ucranianos.

O Governo lançou a plataforma digital Portugal for Ukraine, que junta todas as respostas e ações de apoio a pessoas que saíram da Ucrânia em consequência da situação de guerra e de ajuda humanitária. Para acederes a esta plataforma vê aqui

 

Há ainda a plataforma mundial WeHelpUkraine que quer ligar as “pessoas a precisar de ajuda na Ucrânia, ou em fuga, com pessoas e organizações que podem fornecer apoio”.

 

E nós na WeCareOn estamos por aqui também, para te dar todo o apoio psicológico que esta situação mundial pode causar.

 

Se precisas de ajuda, estamos aqui para ti!

 

Estamos aqui para ti

Catarina Mota– Psicóloga na WeCareOn