Lise Bourbeau, autora de vários best-sellers internacionais e uma das autoras de maior sucesso no campo do desenvolvimento pessoal, defende que sempre que a vida decorre sem alegria, paz, felicidade e harmonia, as emoções negativas manifestadas, sobretudo o medo, as crenças associadas e adquiridas pelos progenitores, o mal-estar ou doença traduzem que uma das “feridas” foi ativada. Quando assim acontece, decorrem reações de controlo que por sua vez influenciam a alimentação.

No seguimento de publicações anteriores sobre a Rejeição, o Abandono e a Humilhação e de acordo com os estudos efectuados pela autora Lise Bourbeau, a “ferida” da Traição é ativada quando está presente o medo de ser traído ou em trair alguém, sendo que a traição está ligada a quebra de confiança, à mentira, a uma promessa não cumprida, a uma cobardia ou falta de responsabilidade.

Assim, esta “ferida” está a manifestar-se, relativamente ao sexo oposto, quando:

• faz por ter a última palavra;

• mente;

• interrompe o outro antes que ele tenha terminado;

• é conclusivo sem que o outro tenha terminado a argumentação;

• guarda rancor, preferindo ficar em silencio;

• faz por ser reconhecido pelos outros como especial, forte, capaz;

• acumulas ira quando os planos não acontecem conforme estipulado;

• culpa o outro por um esquecimento, erro ou traição sua;

• vigia o outro de forma a garantir que as tarefas são executadas como gosta de fazer;

• recusa comprometer-se com outra pessoa;

• ridiculariza o outro para o moldar;

• recusa sistematicamente o conselho do outro;

• grita ou ameaça;

• duvida da resposta do outro;

• amua para atingir os seus fins;

• toma uma decisão pelo outro sem o consultar.

“Com a ferida da traição, como queres ter o controlo do que se passa no exterior e sentes dificuldade em confiar nos outros, reproduzes esse mesmo esquema quando te alimentas”. Assim, a tendencia é:

• quando é outra pessoa prepara uma refeição, junta temperos, sem mesmo antes de provar;

• engole depressa os alimentos, sem os mastigar convenientemente (come com avidez o que traduz o medo inerente de não estar à altura ainda que queira levar a melhor);

• faz outras coisas enquanto come (tv, lê, conversa, repreende, etc);

• morde a comida, quando sente cólera por ver as expectativas criadas, por concretizar (está latente o medo de ser suave, vulnerável, recriminando-se quando isso se manifesta).

Reportando à infância de quem tem esta ferida activa, pode-se considerar que, em criança, por ter sido alvo de grande controlo e possessão pelos pais, foi levada a desobedecer constantemente para reconhecer o seu próprio valor. Foi educada pelos pais de acordo com as suas convicções, provavelmente passadas também pelos respectivos pais, ao invés de terem uma educação baseada nas próprias necessidades da criança enquanto ser. Assim, a criança educada com base nas convicções dos pais, em adulto recusa deixar-se controlar por alguém, e inconscientemente também pelo seu corpo, ignorando a mensagem que este envia quando já ingeriu o suficiente; come mais do que o necessário, e essa culpabilização por si só, promove o aumento de peso.

Há uma tendência para aumento de volume na região do abdómen em ambos os sexos, especificamente nas mulheres também nas ancas e nos homens na região superior do tronco (ombros).

Relembro que o corpo físico é a manifestação do reflexo do que se passa internamente no plano intengível mental e das emoções. O controlo fisico é inútil sempre que a causa é interna.

Marisa Mendes – Coach @WeCareOn